SABE O QUE É ANTROPOLOGIA DIGITAL?

Zany Marketing

Máscara Tribal

Author: Zany Marketing

26 . 07 . 2021

A questão inicial é – porque criar o conceito de antropologia digital em primeiro lugar? As pessoas provavelmente não associariam a disciplina da antropologia ao estudo do digital, mas se pensarmos bem, a antropologia foi sempre uma área dedicada ao estudo de pessoas em todo o mundo e ao que as pessoas em todo o mundo fazem. Por isso, queremos estudá-las. Para a Antropologia, de certa forma, é um avanço bastante óbvio que simplesmente se reconhece que tem havido desenvolvimentos no campo digital de muitas maneiras diferentes. Vamos falar particularmente do trabalho nas redes sociais e nas comunicações digitais, mas há muito a dizer sobre dados, ou infra-estruturas, ou sobre a digitalização dos arquivos dos museus. É difícil pensar em algo que não seja realmente afetado pelo processo de digitalização.

Para a Antropologia, é uma progressão natural na antropologia, segue o que acontece no mundo, se o mundo se torna digital, nós tornamo-nos digitais. Mas penso que há aqui um ponto adicional, porque na antropologia contemporânea também estamos de certa forma a argumentar contra certos pressupostos bastante antigos, se quiserem, estereótipos sobre a disciplina como um todo. Porque originalmente a antropologia estava associada ao estudo de grupos tribais e étnicos diferenciados da sociologia, que era vista mais como o estudo de tipos de sociedades urbanas. Na verdade, essa é uma imagem muito antiga da antropologia. Hoje podemos dizer que ela apenas estuda sociedades quem quer que sejam, onde quer que estejam.

A ideia de que a antropologia vai ter agora um fórum especializado concentrado nesta área é um desafio. O objetivo deste artigo é demonstrar porque é que a antropologia é, de facto, a melhor forma de compreender o digital, tanto quanto quando falamos do estudo do digital, temos de estar interessados nas consequências que este tem sobre as pessoas. É realmente por isso que este é o domínio certo para a antropologia, porque não tem de estudar a tecnologia ou mesmo compreender a tecnologia, mas tem realmente de compreender as consequências que todas estas mudanças têm sobre as populações. Acredita que, para o fazer, é necessário o tipo de abordagens que elas representam.

A antropologia sempre se interessou pela forma como as pessoas socializam, uma espécie de trabalho em rede em conjunto. Os psicólogos estudariam as pessoas como indivíduos, mas a antropologia estuda as pessoas como uma espécie de sites de redes sociais e pensamos no parentesco. Outra razão pela qual se reconhece que as redes sociais são algo que tem uma presença enorme é a forma como os jornais e revistas fazem diariamente afirmações bastante estranhas sobre as consequências das redes sociais. Eles dizem-lhe: “oh, os jovens de hoje, não têm uma atenção adequada, e é por causa dos meios de comunicação social” ou “os jovens de hoje, não compreendem realmente o significado de uma boa amizade, e isso é por causa dos meios de comunicação social”. Os antropólogos sentiram que houve uma responsabilidade, alguém precisa de ir lá fora e fazer um tipo diferente de área de estudo para realmente estabelecer quais são as verdadeiras consequências dos desenvolvimentos destes meios de comunicação social.

Ao fazê-lo, não quiseram comprometer a forma como tradicionalmente estudam. Embora estejam a estudar fenómenos muito novos, estão a utilizar um método que foi estabelecido durante muito tempo. Tem havido financiamentos do Conselho Europeu de Investigação e de outras instituições para estudar esta nova realidade. Isto é muito importante para compreender a forma como não só os meios de comunicação social, mas também a Internet estão a ser estudados. Porque a maioria das pessoas que estudam estes fenómenos, tendem a concentrar-se em coisas como a tecnologia e as plataformas como causadoras.

“Devido à natureza do Twitter de mensagens curtas, as pessoas começam a comunicar desta forma no mundo ‘real’”. Encontrou-se algo muito diferente: o mesmo tipo de comunicação muda muito facilmente. Um dia está no Facebook, depois a sua mãe aparece no Facebook, por isso quer sair do Facebook. Por isso, vai para o Twitter. Mas irá fazer a mesma coisa. Se o mesmo tipo de comunicação pode viajar entre o Twitter, e o Facebook, e o Snapchat, e qualquer outra plataforma, não pode ser a tecnologia que é causadora. Significa, na verdade, que é preciso olhar para estas questões culturais subjacentes para explicar porque é que uma determinada plataforma é “ocupada”.

Hoje temos muito material produzido. Os antropólogos têm a sua própria definição de meios de comunicação social. Chamam-lhe “uma socialidade escalável”, o que significa que agora deixou de existir o abismo entre a comunicação pública e a comunicação privada. A comunicação pública desceu para sítios mais pequenos, onde se transmitem para grupos restritos. Entretanto plataformas como os serviços de chat viram a sua procura aumentar. Agora, de certa forma pode escalar a sua socialidade, pode ter mais privados, menos privados, grupos maiores, grupos mais pequenos, e isto é uma grande mudança. Muitas grandes mudanças. A forma, por exemplo, de que assim como toda a comunicação escrita, temos agora um visual, coisas como Snapchat onde se envia imagens do rosto durante todo o dia, mas é como uma conversa. Assim, um novo tipo de comunicação visual está por aí.

Mas em termos de impacto – política, educação, etc. – muitas coisas simplistas têm sido ditas. Normalmente descobrimos que os meios de comunicação social exacerbam coisas que existiam antes. Ambos são maus para a educação (uma distração), bons para a educação (pode-se encontrar muitas coisas por aí). Levanta questões para os radicais políticos, porque podem ser identificadas pelo Estado. É bom para os radicais políticos, porque se podem reunir e utilizar os meios de comunicação social. Assim, as simples declarações feitas são demasiado simplistas. Obviamente, muito material.

Ainda é cedo para prever o impacto que isto terá na sociedade, mas é seguro dizer que nunca mais seremos os mesmos que éramos antes da internet e das redes sociais.

Gostou deste artigo? Diga-nos que tópicos gostaria de ver analisados aqui no Zany Marketing nos comentários ou em [email protected]

Também poderá gostar de . . .

O QUE É O MARKETING MÓVEL?

O QUE É O MARKETING MÓVEL?

O QUE É O MARKETING MÓVEL? O marketing móvel é uma estratégia de marketing digital multi-canal...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de email não será publicado.